06/06/2017

Livro: A Garota Perfeita

Título: A Garota Perfeita
Autor(a): Mary Kubica
Editora: Planeta
Ano: 2016
Número de Páginas: 336
Skoob: Adicione
Minha Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥
Onde Comprar:

Esse é aquele tipo de livro que você pode esperar surpresas até a última página. Sério. Não estou exagerando, nem exaltando demais o autor, ou subestimando os leitores. Mas, pelo menos para mim, as últimas páginas desse livro foram um verdadeiro soco na cara, e eu fiquei "Como eu ão percebi isso vindo?!". Sim, comecei a resenha falando sobre o final do livro por motivos de FOI MUITO EMPOLGANTE!

Primeiro de tudo você deve entender que o livro girará em torno da Mia Dennett, uma jovem de 25 anos, professora de arte em uma escola, mas, filha do "grande" Juiz Dennett de Chicago. Olhando de fora, todos vão concluir que ela deve ter tido a vida perfeita: família rica, pai poderoso. Mas o fato é que a família da Mia não é das mais bem estruturadas, e, ela é vista como a "ovelha negra da família", sendo assim, vemos que quando seu sumiço é relatado, o pai dela acaba dando pouca importância para os fatos.
O livro possui uma narrativa não linear, e acompanhamos a história pelo ponto de vista de três pessoas: Eve, a mãe da Mia; Gabe Hoffman, o detetive encarregado de investigar o sequestro da jovem; e Collin Thatcher, seu sequestrador. E, outro ponto sobre a narrativa é que os capítulos são marcados com o Antes e Depois. Ou seja, antes da Mia retornar para casa, enquanto ela estava sequestrada, e, depois que ela retornou, sem memórias do período que passou em cativeiro. Calma, o retorno da Mia não é spoiler, afinal, já sabemos deste fato logo nos primeiros capítulos, e sua falta de memória é um dos fatores que nos impulsiona na leitura para saber o que aconteceu,
Um suspense psicológico bem construído, e me lembrou bastante aquele quebra cabeças de mil peças: no começo tudo parece uma grande bagunça, as coisas vão se ajeitando aos poucos, mas você só vai conseguir entender a magnitude de tudo ao colocar a última peça. Neste caso, após ler o epílogo.
O livro ainda aborda algo bastante polêmico que é a síndrome de Estocolmo, para quem não sabe, esse é o nome dado a síndrome onde, depois de um longo período sobre coerção ou intimidação, a vítima acaba por desenvolver sentimentos pelo seu captor. A forma abordada pela autora foi até fofa, e, depois da leitura fiquei me perguntando se eu tinha algum problema mental (okay, tenho vários, mas vocês entenderam o que eu quis dizer) por "shippar" (ou seja, torcer para que ficassem juntos) o Collin e a Mia.
Além de tudo que eu disse, só posso recomendar que leiam! 



4 comentários:

  1. Milena, li esse livro em e-book há pouco tempo. Fui folheando as páginas em uma rapidez impressionante!
    Pela curiosidade em saber cada vez mais sobre a vida dos personagens.
    Masss, já tinha uma ideia do que aconteceria no final.
    Talvez por esse motivo tenha ficado um pouco decepcionada.Mas nada que estragasse à leitura.
    E nós duas somos um pouco louquinhas... Pois torci pelo Collin e Mia.

    Vale à pena lê- lo!

    ResponderExcluir
  2. Olá flor, tudo bem?
    Olha, eu já vi esse livro, mas não dei nada pela capa. Engano meu , né?! Amei a história, gosto de livros envolventes assim. Sua resenha ficou ótima, dica anotada!
    Beijos!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Já no início da resenha fiquei com uma curiosidade enorme para saber o que acontece no fim, ainda não conhecia o enredo desse livro e fiquei com uma vontade enorme de ler e a síndrome de Estocolmo me pareceu um pouco macabra, imagina você é sequestrada e se apaixonada pelo cara.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Uii, já amei..
    e não, você não tem problemas hahaha já shippei e shippo casais problemáticos!!!
    E eles ficam juntos???
    Gostei bastante da sua resenha!!!
    bjus

    ResponderExcluir

Nos diga o que achou:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...